4 dicas para ser criativo nos negócios

Com a explosão das startups mundo afora — fato que se soma à multiplicidade cada vez maior de tecnologias disponíveis — um dos termos que mais vem sendo utilizado atualmente no mundo dos negócios é a inovação. Todo empreendedor busca esse diferencial para garantir sua fatia de mercado e se sobressair perante à concorrência. Acontece que a inovação não é um fim, que deve ser perseguido através da criatividade, mas sim um meio. Em outras palavras, ela é o resultado do processo constante de criar.

Como ser criativo? Muitos acreditam que a criatividade é uma característica inata de um indivíduo, ou que as ideias surgem ao acaso. Para essas pessoas, o ideal é esperar que as coisas fluam naturalmente.

Esse pensamento não é totalmente equivocado. Mas, existem inúmeras medidas que podem ser tomadas para proporcionar um ambiente extremamente propício à criatividade em uma empresa. A seguir, saiba como estimular a criatividade nos negócios:

1- Processos criativos: reduzindo obstáculos

Quando o empreendedor pensa na criatividade, logo atrela o conceito ao resultado final do empreendimento: seus produtos e serviços. Porém, na maioria dos casos, os próprios processos internos viram amarras para a produtividade e também para a criatividade.

Logo, é fundamental rever todas as etapas de validação internas e, junto à equipe, pensar em formas para desenvolver o trabalho de maneira mais eficiente para todos, criando um ambiente dinâmico e estimulante para se trabalhar.

2- Ambiente questionador: a pergunta é a origem da resposta

Quando falamos em um ambiente questionador, não estamos nos referindo a um ambiente subversivo, onde os colaboradores entram em constantes conflitos com a chefia. Nesse caso, o ambiente questionador é mais conciliador, no sentido de que todos possam expressar suas ideias e levantar pontos de melhoria dentro da empresa.

Os gestores precisam reconhecer que podem aprender muito com os colaboradores e que diversas boas ideias podem surgir dessa troca.

3- Brainstorm: o teste dos “por quês” e dos “e se…”

O ambiente questionador é importante, mas, muitas vezes, são necessárias reuniões para tratar justamente de novas ideias, os conhecidos brainstorms.

Assim como vimos anteriormente, as perguntas são as origens para as respostas, por mais triviais que elas possam parecer. Portanto, uma sessão de brainstorming deve ser livre, permitindo que todos apresentem os seus “por quês” (questionamentos) e os “e se…” (hipóteses), mesmo que soem desconexas em um primeiro momento.

O exercício do livre pensamento é fundamental em todo o processo, sem repreensões.

4- Atividades culturais: ampliando os horizontes

Pronto para aplicar essas dicas na sua empresa? Confira também nosso post sobre a importância da criatividade no empreendedorismo e conte para a gente, nos comentários, como você faz para ficar se tornar uma pessoa mais criativa!

Comentar