Revolução Maker

Se você é uma pessoa ligada em tecnologia, inovação ou economia, provavelmente já deve ter visto alguma coisa sobre a 4ª Revolução Industrial. O conceito ganhou um grande destaque agora em 2016, como grande tema do Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça. Mas foi criado em 2011, por empresários e pesquisadores alemães para entender melhor o impacto que novas tenologias e interfaces entre o físico e o digital podem causar na produção industrial e no mercado.

Redes neurais artificiais, computadores que aprendem sozinhos, big data, internet das coisas e máquinas de fabricação digital são as principais tecnologias que estão criando o mercado do futuro. E com elas, novas possibilidades de trabalho e consumo estão surgindo.

O que será diferente?

A indústria verá o surgimento das fábricas inteligentes, onde as máquinas se comunicarão sem interferência humana e produzirão praticamente sozinhas, a partir de análises de dados e informações que permitião atender às demandas em tempo real.

Os consumidores terão acesso ao consumo personalizado e à produção própria de objetos com as máquinas de fabricação digital – impressoras 3D, fresadoras e máquinas de corte que imprimem objetos a partir de projetos feitos em softwares.

E os trabalhadores ocuparão novas funções, menos burocráticas, mais criativas e com desafios mais conectados às necessidades reais dos consumidores. Segundo as previsões divulgadas em Davos, cerca de 5 milhões de postos de trabalho serão substituídos por máquinas nos próximos cinco anos em todo o mundo. O efeito disso será a criação de novas profissões, modelos de negócios e aplicações da tecnologia.

Então o mercado já está se adaptando?

Está. E os protagonistas deste processo são os makers – pessoas que unem conhecimentos de programação, design thinking, design de interação, prototipagem, robótica, marcenaria, eletrônica, física, anatomia (toda área do conhecimento é bem vinda), para dar vida a suas ideias e fabricar invenções. Com pensamento interdisciplinar e atuação colaborativa, os makers estão produzindo grandes inovações nos serviços, indústria, economia criativa, educação, saúde, e por aí vai.

Po! Que fera!

Sim! Demais! Se você der um google, vai achar muita coisa legal. Desde startups, como a brasileira D3, que cria dispositivos tecnológicos para campanhas de marketing; plataformas open source como a Open Bionics, dedicada ao desenvolvimento de próteses de alto nível e baixo custo com impressão 3D; até gigantes da inovação como a AT&T, que tem colocado seus times de funcionários para executarem todas as etapas do desenvolvimento de novos produtos, desde o protótipo até a execução na fábrica.

Quero fazer parte dessa transformação!

Você pode conhecer algum dos labs criados para makers, como o ABC Markerspace e o Garagem Fab Lab, para entrar em contato e compartilhar conhecimentos e ideias com outros fazedores.

E também pode fazer os cursos da Descola! 🙂 Temos opções muitos legais para você desenvolver suas habilidades de maker, como o de Ideação [http://bit.ly/1VvJy8R], Prototipagem [http://bit.ly/1TdZqtm], e Design Thinking [http://bit.ly/1SUdDZN].

Hora de por a mão na massa e desenvolver as ideias e produtos do futuro!

Continue lendo sobre este tema em:

Make Magazine: http://makezine.com/

Blog Fazedores: http://bit.ly/1VvJGWa

Projeto Draft: http://bit.ly/1Te0uxo

Wired: http://bit.ly/1OI1Uky

Motherborad: http://bit.ly/1SUdENk

Comentar