Prevendo tendências e comportamentos: Big Data

Desde o início do século XXI, a quantidade de dados e informações que circulam pelas empresas, organizações e órgãos públicos cresceu exponencialmente. E continua crescendo assustadoramente dia após dia. Estima-se que, desde 2012, são criados diariamente 2,5 exabytes. Isso equivale a 2,5 ×109 gigabytes – 2,5 trilhões de gigas por dia!

Com o tanto de informação disponível, os líderes e gestores começaram a se questionar o que poderia ser feito para aproveitar todo aquele potencial disponível. Foi quando o conceito de Big Data passou a fazer parte das estratégias em diversos negócios.

Big Data é o termo que descreve o grande volume de dados que impactam os negócios no dia a dia. A grande sacada do Big Data, no entanto, não é necessariamente o número de dados que uma empresa possui, mas sim o que é feito com eles. Você pode identificar comportamentos de consumo, através dos quais é possível prever tendências de negócios locais; caso você tenha acesso a informações de hospitais e/ou planos de saúde, dá para prever epidemias e tomar providências antes mesmo que a doença se espalhe; se você tiver dados sobre a gestão pública da sua cidade, é possível desenvolver soluções para problemas recorrentes, como o trânsito caótico, a superlotação dos transportes públicos, as filas nos hospitais e um número impensável de outras situações.

Um estudo de 2013 da Universidade de Oxford mostrou que 53% das organizações já utilizavam Big Data para compreender e aperfeiçoar a experiência do usuário. Até mesmo a NBA e a companhia de cartões de crédito Visa fazem uso dessa tecnologia – o uso de Big Data deixa de ser um diferencial competitivo e se torna cada vez mais uma necessidade nos negócios. E não é só a experiência do usuário que pode melhorar com Big Data: é possível aumentar a segurança na infraestrutura de TI, reduzir custos, otimizar processos e prever movimentos de mercado antes da concorrência.

Se você estiver pensando que esse post e esse assunto de Big Data faz muito mais sentido para quem realmente tem um grande banco de dados à disposição, uma base de clientes bastante consistente, com um tempo de vida considerável, tem outra coisa que precisamos conversar: Open Data.

Em português, Open Data significa “dados abertos”. A ideia de Open Data corresponde aos dados que podem ser livremente utilizados e redistribuídos por qualquer pessoa. No caso do Brasil, todos os dados coletados pelo governo são legalmente livres para acesso e distribuição: cidades como São Paulo e Rio de Janeiro possuem sites nos quais disponibilizam os dados facilmente.

Um dos laboratórios da Universidade de Nova York aponta o Open Data como responsável por mudanças significativas em nossas vidas, caminhando rumo a um futuro promissor de quatro maneiras diferentes:

1. Aumento na transparência e diminuição na corrupção por parte dos governos, já que todos os dados ficam disponíveis para qualquer cidadão poder acessá-lo;

2. Empoderamento dos cidadãos para que possam tomar decisões de forma mais inteligentes, pois todos têm uma visão geral dos problemas e as medidas que já foram tomadas anteriormente;

3. Fomento à inovação, gerando crescimento econômico e criando empregos;

4. Novas formas de avaliar problemas, gerando intervenções colaborativas.

Para exemplificar essa facilidade de acesso a dados públicos, uma iniciativa do governo de Minas Gerais fundou o DataViva, uma plataforma de pesquisa que permite ao usuários acessar dados socioeconômicos dos mais de 5 mil municípios do Brasil. Para explorar o banco de dados do DataViva, é só acessar o site deles.

No dia 21 de junho, lançaremos aqui na Descola o curso “Smart Cities: encontre oportunidades para transformar sua cidade”. Dentre os temas abordado nas aulas, falamos mais sobre como você pode resolver diversos problemas da sua cidade, antes mesmo de esperar por uma solução do governo. Apresentamos uma porção de maneiras para tornar isso possível, e algumas das tecnologias envolvidas são as de Big e Open Data. Fique de olho na pré-venda e compre agora com desconto. Visite a página do curso aqui.

Como dissemos anteriormente, o Big Data deixou de ser um diferencial para os negócios e se tornou praticamente um item básico. Essa é uma das tendências que estarão presentes nos negócios inovadores de 2017. Quer ver mais tendências? Fizemos um top 10 com os assuntos que estarão bombando neste ano e nos futuros. Não deixe de conferir. 🙂

Já conhecia essas tecnologias? Já aplica no seu negócio? Conta pra gente nos comentários!

Comentar